Bryan Trottier, ídolo do New York Islanders e um dos grandes jogadores dos anos 80

O que aconteceu com… #9 – Bryan Trottier

A série que fala de estrelas do passado retorna para falar de um dos maiores jogadores da década de 1980!

Já falamos sobre Mike Bossy, um dos grandes goleadores da história da liga e um dos maiores ídolos da história do New York Islanders. Hoje é dia de falar sobre um dos nomes que acompanhavam Bossy no que ficou conhecido como “The Trio Grande”, linha que foi uma das grandes responsáveis pela dinastia da equipe de Long Island nos anos 80. Hoje é dia de falar sobre Bryan Trottier!

Bryan Trottier jogando pelo New York Islanders
Bryan Trottier jogando pelo New York Islanders (Foto: reprodução/NHL)

Escolhido pelos Islanders no Draft de 1974, Trottier chegaria a NHL no ano seguinte já causando impacto e vencendo o Calder Memorial Trophy, troféu entregue ao melhor novato da temporada. Em 80 jogos, Trottier anotou 95 pontos (32 gols e 63 assistências) e ajudou os Islanders a chegarem nos playoffs, onde foram derrotados nas semifinais da Stanley Cup pelo Montreal Canadiens, que sairia como campeão daquela temporada. Trottier teve um grande desempenho na temporada seguinte, conduzindo os Islanders mais uma vez até a semifinal, onde mais uma vez foram derrotados para o fortíssimo Montreal Canadiens.

A sorte dos Islanders e de Trottier mudaria consideravelmente na temporada 1977-78, com a chegada da 15ª escolha geral do Draft daquele ano: Mike Bossy.

Trottier, que era um jogador mais do que completo, um exímio playmaker, acabou por receber uma poderosa arma em sua linha e assim se deu início uma parceria que renderia muitas alegrias para a torcida de Long Island.

O impacto foi imediato: Já na primeira temporada ao lado do novo companheiro, Bryan  Trottier, de apenas 21 anos anotou 123 pontos (46 gols e 77 assistências) e ficou em segundo na votação pelo Hart Trophy, entregue ao melhor jogador da temporada. Na temporada 1978-1979, nem mesmo a super espera de Montreal, Guy LaFleur foi capaz de bater Trottier pelo troféu de MVP da temporada. Com 134 pontos (47 gols e 87 assistências), o jogador dos Islanders levou pra casa não só o Hart, mas também o Art Ross Trophy, entregue ao jogador com mais número de pontos da temporada.

Clark Gillies, Bryan Trottier e Mike Bossy
A Trio Grande Line: Clark Gillies, Bryan Trottier e Mike Bossy (Foto: reprodução/NHL)

Até esse ponto, os Islanders estavam sofrendo em seu desempenho na pós temporada, com duas eliminações precoces em 1978 e 1979. Mas na temporada 1979-1980, as coisas iriam mudar. Após terminar a temporada regular em segundo, os Isles não tomaram conhecimento dos adversários durante os playoffs e fecharam a última série diante dos Flyers por 4-2 para conquistar sua primeira Stanley Cup. Com 29 pontos (12G-17 A), Trottier venceu o Conn Smythe Trophy, entregue ao melhor jogador dos playoffs.

Ao lado de Mike Bossy, Clark Gilles e Denis Potvin, Bryan Trottier liderou os Islanders para o que viria se tornar a primeira dinastia imposta por uma equipe que não era Original Six. Foram quatro títulos seguidos em cinco finais e uma década inesquecível para a torcida dos Islanders.

Bryan Trottier seguiu na equipe de Long Island até 1990, onde estabeleceu diversos recordes que perduram até hoje na franquia. Sua camisa foi aposentada oficialmente em 2001 pelos Isles.

Ao fim da temporada 1989-1990, Trottier foi para o Pittsburgh Penguins, uma equipe que vinha em ascendência com a explosão de Mario Lemieux como uma das grandes estrelas da época. Em Pittsburgh, Trottier e sua vasta experiência foram muito importantes para os Penguins conquistarem suas duas Stanley Cups seguidas, nas temporadas 1990-91 e 1991-92.

Trottier se aposentou após a temporada de 1993-1994, com a camisa dos Penguins.

  • 1279 jogos
  • 1245 pontos
  • 524 gols
  • 901 assistências
  • Seis vezes campeão da Stanley Cup (1980, 1981, 1982 e 1983)
  • Maior número de jogos disputados (1.123)
  • Maior número de pontos pelo time (1.353, 500 gols e 853 assistências)
  • Maior número de assistências (853)
  • Maior número de assistências em uma temporada (87 em 1978-79)
  • Art Ross Trophy em 1979
  • Hart Memorial Trophy 1979
  • King Clancy Memorial Trophy em 1989
  • Calder Trophy em 1976

Mas o que Bryan Trottier fez após o fim de sua carreira?

Após encerrar sua carreira na NHL, Bryan Trottier jogou mais um ano na cidade de Pittsburgh. Mas como assim? Bem, naquele ano uma nova franquia começava sua história na cidade: O Pittsburgh Phantoms, time da Roller Hockey International – liga de hóquei inline, modalidade do esporte jogado em uma quadra ou cimento.

Após sua breve passagem pelo inline no ano de 1994,  Bryan Trottier serviu como assistente técnico dos Penguins até o ano de 1997. Neste mesmo ano, foi nomeado para o Hall da Fama do Hóquei, em seu primeiro ano de elegibilidade. Após sair dos Penguins, Trottier assumiu um papel semelhante com o Colorado Avalanche, onde conquistou a Stanley Cup com a franquia no ano de 2001.

O ano de 2001 marcou também finalmente um dos momentos que a torcida dos Islanders mais aguardou após a saída do jogador em 1990: A cerimônia de aposentadoria de sua camisa, o número 19.

Em 2002, assumiu como técnico do New York Rangers, maior rival do time por qual brilhou em sua carreira. A passagem como técnico não deu certo e Trottier foi demitido após meia temporada no cargo. Em 2006, Trottier retornou ao New York Islanders, onde assumiu a posição de “Director Of Player Personnel”, focado em relações entre jogadores e times.

Atualmente, Trottier mora em Pittsburgh e durante os verões conduz diversas escolas de hóquei, em diferentes cidades da província de Ontário, no Canadá.

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email