tampa bay

Por que os jogadores não tocam no troféu de campeão de Conferência?

A NHL possui muitas tradições e superstições próprias, entretanto algumas ficam restritas aos playoffs, quando cada jogo importa, e é preciso se apegar ao que podemos para superar o nervosismo. Um dos exemplos é a tradição da barba nos playoffs da NHL ou a de não tocar o troféu de campeão da Conferência. 

Jogadores também são supersticiosos por natureza, e jogadores de hóquei não fogem à regra. Muitos deles possuem rituais pré-jogo e acreditam fielmente que suas habilidades são influenciadas pelo cumprimento desses ritos. 

Vencer a Conferência não é o objetivo final das equipes. Por isso, muitas equipes optam por não comemorar mais do que a vitória em outras séries de playoffs. A Stanley Cup é o objetivo final, e é ela que deve ser mais comemorada. 

Reprodução: Dave Sandford/NHLI via Getty Images

Além disso, há um outro elemento na escolha de não tocar o troféu de campeão de conferência: o azar. Segundo a tradição, acredita-se que o time que tocar ou levantar o troféu de vencedor da Conferência não ganhará a Stanley Cup. É uma tradição contraditória, há aqueles que a seguem mas muitas franquias não o fazem. Por exemplo, o Pittsburgh Penguins de 2009 que levantou o troféu, os jogadores inclusive patinam com o Príncipe de Gales erguido sobre as cabeças e, mesmo assim, conseguiram sair campeões da Stanley Cup.     

Uma breve história dos troféus

O troféu dado à Conferência Oeste chama-se Clarence S. Campbell  em homenagem ao homônimo que foi comissário da  NHL entre os anos de 1946 a 1977. Durante as temporadas de 1967-1968 e 1973-1974, o campeão da temporada regular da Divisão Oeste ganhou o troféu. O campeão da conferência oeste passou a receber o troféu na temporada de 1993-1994 depois de muitas mudanças sobre quem o receberia. 

Já o troféu da Conferência Leste recebe o nome de Prince of Wales (ou Príncipe de Gales) em homenagem ao título real uma vez que o próprio Príncipe de Gales, futuro Rei Eduardo VIII, doou o troféu para a NHL em 1924, entre os anos de 1982 e 1993 o que hoje chamamos como Conferência Leste era conhecida como Wales Conference (Conferência de gales).

Entre as temporadas de 1927-28 a 1937-38, o troféu foi entregue para a equipe que ficou em primeiro lugar na Divisão Americana (as franquias da Divisão Canadense receberam o Troféu O’Brien durante esses anos). O vencedor da conferência leste passou a receber o troféu Príncipe de Gales na temporada de 1993-1994, no mesmo ano que o vencedor do oeste recebeu o Clarence Campbell. Entretanto, o maior vencedor do Prince of Wales, o Montreal Canadiens, ganhou o Clarence Campbell por conta da redefinição temporária das conferências causada pela pandemia. 

O início da superstição

Não tocar no troféu começou a acontecer em 1997 após a série entre New York Rangers e o Philadelphia Flyers, depois de cinco jogos o time da Pensilvânia saiu vitorioso. O capitão da equipe, Eric Lindros, resolveu não tocar no troféu Prince Wales. Entretanto, o Detroit Red Wings de Steve Yzerman, que havia tocado no Clarence Campbell Bowl, não se importou com a superstição e varreu o time de Eric. Não era um bom presságio para o início da tradição.

Em 1999 Mike Peca, capitão do Buffalo Sabres, não colocou as mãos no Príncipe de Gales enquanto o Dallas Stars optou por tocar no Clarence Campbell Bowl. Com um gol de Jere Lehtienen para o Dallas Stars a série foi resolvida na terceira prorrogação do jogo seis.

Era esperado que esse costume fosse perdendo força e deixando de acontecer, só que tudo mudou em 2004 quando o Calgary Flames ganhou a série contra San Jose Sharks e tocou no troféu de campeão da Conferência Oeste. Em paralelo, o capitão do Tampa Bay Lightning, Dave Andreychuk, após vencer o Philadelphia Flyers não tocou no Príncipe de Gales. O Lightning, então, venceu pela primeira vez em sua história a Stanley Cup daquele ano no jogo sete.

Montreal Canediens não tocou no troféu de campeão da conferência oeste
Reprodução: Ryan Remiorz/The Canadian Press via AP

Desse ano em diante, a tradição se consolidou e passou a fazer parte do imaginário dos jogadores e das torcidas. Ganhou vários adeptos apesar de não ser tão popular quanto a superstição de não tocar na Stanley Cup até ganhar a taça.

A superstição atualmente

Desde 2005 na Conferência Oeste só uma franquia ignorou a tradição e tocou no troféu Clarence Campbell, o Vegas Golden Knights. Em sua primeira temporada, o time de Nevada conseguiu ganhar a Conferência e para comemorar seus jogadores resolveram patinar com o primeiro troféu da franquia pelo o gelo. A equipe perdeu a Stanley Cup daquele ano para o Washington Capitals, que também havia tocado no troféu Príncipe de Gales. 

Já os times do leste parecem mais dispostos a tocarem no troféu. Em anos em que o time vencedor do Príncipe Gales tocou no troféu e o vencedor do Clarence S. Campbell não, os times do leste venceram mais do que os do oeste. Aconteceu em 1997 e 1998 com o time de Detroit, assim como o Dallas de 1999 e o Colorado Avalanche de 2002. Apesar disso, o time do Dallas Stars de 2000 tocou no troféu e não conseguiu ganhar a Stanley Cup.

Por ser uma tradição inconstante, nem todas as equipes seguem essa superstição. Por isso, há a possibilidade de os dois times que disputam a Stanley Cup tocarem no troféu, isso aconteceu em 1998, 2000 a 2002. Dessas quatro vezes só em uma o time do Leste ganhou, em 2000 com o New Jersey Devils.

Mesmo assim, a tradição foi crescendo e tem os seus fiéis adeptos e isso fez com que em alguns anos ambos os finalistas da Stanley Cup optem por não tocar nos troféus. Em 2006, 2008 e 2011 a 2015 nenhum dos times tocaram nem no Prince of Wales ou Clarence S. Campbell e, nesse cenário, os times do leste só venceram duas vezes: Carolina Hurricanes em 2006 e o Boston Bruins de 2011, que foi o último time a vencer a Stanley Cup após não tocar no troféu de campeão da Conferência.

Seguindo os números, há mais vantagens em tocar o troféu, a não ser que seu time seja treinado pelo Petter Laviolette. O Philadelphia Flyers de 2010 perdeu a série final logo depois de tocar no troféu enquanto era treinado por ele, já o Carolina Hurricanes ganhou a taça após não tocar no Príncipe de Gales.

O Tampa Bay Lightning de 2015 não tocou na taça e acabou não ganhando a Stanley Cup. Entretanto, o último time a ganhar o título quando por trocar o troféu, em 2020, enquanto o Dallas Stars não ousou tocar no Clarence Campbell. Na última temporada, o time também ergueu a taça e se consagrou campeão, apesar do Montreal Canadiens não ter tocado na taça. 

No entanto, tradição é tradição e os Deuses do Hóquei são muito imprevisíveis. Ao saírem da fileira do lado de seus companheiros até chegar no representante da liga para receber o troféu, o capitão deve pensar se irá tocar ou não e independente da escolha essa ação será comentada nas redes sociais pelos próximos dias.

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email