Podemos dizer que 2020 com certeza foi um ano esquisito, quarentena, desastres e porque não dizer que o hockey também está estranho. A dois anos atrás se você estivesse assistindo a um jogo do New York Rangers, nunca você pensaria em ver outro goleiro no gol que não fosse o sueco Henrik Lundqvist. Draftado na sétima rodada no Draft de 2000, o goleiro só viria para Nova Iorque na temporada 2005 para mudar de vez a cara da franquia.

Vencedor do Vezina Trophy em 2012, maior número de vitórias com 459 na equipe, maior número de vitórias nos playoffs com 61 vitórias, maior número de shutouts tanto nos playoffs quanto na temporada regular, os recordes se acumulam. Além de tudo que conquistou pela equipe, The King é considerado o melhor goleiro para jogos 7, deem uma olhada nessas stats:

O quadro acima mostra o quão impressionante é o goleiro do Rangers em playoffs e mais impressionante ainda em jogos 7, colocando ao lado de 3 lendas apenas: Hasek, Brodeaur e Roy. Fica difícil compreender como a direção da equipe não montou uma equipe suficientimente boa para lhe dar a tão sonhada Copa.

Mas afinal o que aconteceu para Lundqvist virar um reserva de luxo?

Igor Shesterkin é a razão disso tudo. O esperado, “Czar”, como já é chamado pela torcida azul chegou entregando tudo que prometeu nos seus anos ainda na Russia, o frio goleiro é uma máquina de fazer defesas.

Como o quadro acima mostra, Shesterkin é o futuro, e chega até injusto o New York Rangers ter outro goleiro tão bom vindo logo em seguida a geração de Henrik Lundqvist, o russo ainda carrega muita experiência em playoffs na KHL. Como falamos no começo, a bagunça de 2020 pode ajudar o goleiro sueco em busca do único título que ainda lhe falta: a Stanley Cup.

Com um playoff com 24 equipes, Lundqvist tem pela frente o já conhecido Carolina Hurricanes, time o qual ele bateu 3 vezes essa temporada com .947 incluindo uma atuação digna dos seus tempos dourados onde o sueco defendeu incríveis 45 chutes na casa do adversário na vitória por 4-2 na PNC Arena em 7 de Novembro de 2019.

Defender essa quantidade de chutes é sinônimo da sua carreira, muitos o culpam na final de 2014 contra o Los Angeles Kings, final a qual o Rangers não ficou a frente em chutes nenhuma vez, é verdade que o time abriu 2 gols de diferença em 2 oportunidades, mas em todos os jogos foi pressionado, chegando a mais de 15 chutes de diferença por jogo, é muito para qualquer goleiro.

O goleiro sueco ainda é dono de uma medalha Olímpica, com uma defesa memorável contra a Finlândia na final faltando apenas 30 segundos para o jogo acabar. Comparado com a série Last Dance, Lunqvist merece ter uma última chance de tentar desfilar no Cannon of Heroes em Manhattan com um anel no dedo e uma taça na mão. Abaixo a defesa contra o Montreal Canadiens no jogo 6 que levou o Rangers a final da Stanley Cup após 20 anos.

É muito provável que esse seja o último ano do goleiro em Nova Iorque e que ao fim da temporada ele se aposente ou sofra um buyout, a conquista ou não da taça em nada vai influenciar em sua posição como o melhor goleiro de sua geração e um dos melhores da história da NHL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *