NWHL é reformulada e passa a se chamar Premier Hockey Federation

NWHL é reformulada e passa a se chamar Premier Hockey Federation

“Criada em 2015, renascida em 2021.” Com esta frase, veio o anúncio: a National Women’s Hockey League (NWHL) se torna Premier Hockey Federation. O anúncio veio a público com menos de dois meses para o início da sétima temporada. A primeira liga de hóquei feminino a pagar salário para suas atletas adota um novo título para refletir as diversas mudanças internas e externas que ocorreram desde 2015. O rebranding foi divulgado hoje (7), porém durante a madrugada a jornalista Marisa Ingemi deu a notícia – e corrigiu o nome em um tweet posterior. Porém, a própria liga deu pistas em julho que algo estava por vir.

“Esta liga já percorreu um longo caminho desde sua criação em 2015,” disse a comissária da PHF Tyler Tumminia, “e nós acreditamos que este é o momento certo e mensagem certa junto ao nosso comprometimento de desenvolver o jogo e inspirar jovens” completou. Além da mudança de nome para esta temporada, o teto salarial da liga dobrou de US$150 mil para US$300 mil – a fim de curiosidade, o valor ainda é apenas metade de um salário de entrada de um jogador na NHL.

Sem rótulos, sem limites

Com seu novo slogan, a intenção da PHF fica visível: Sem rótulos, sem limites. “A narrativa não deve mais ser focada em gênero,” disse Ty Tumminia no vídeo de anúncio do rebranding. A comissária seguiu com “já passaram os dias em que as atletas da liga eram consideradas mulheres que jogam muito bem hóquei. Nós somos grandes jogadoras de hóquei. Ponto.”

De acordo com o anúncio no site da liga, que ainda tem o nome de NWHL, o nome Premier Hockey Federation foi inspirado por “empoderamento, equidade de gênero e inclusão com respeito pelas diferentes identidades de gênero de atuais atletas, potenciais jogadores e outras partes interessadas da liga.” A capitã do Metropolitan Riveters, Madison Packer, disse que entende e aprecia não quer que se definir mais como mulheres que jogam hóquei, “isto é sobre reconhecer que independente de gênero, as atletas são talentosas.”

Packer disse em entrevista para a Associated Press que remover o gênero do nome “nivela o campo de jogo”. “Nós jogamos com o mesmo puck, nos mesmos rinques, com as mesmas goleiras [que os homens],” disse ela, “remover o rótulo, não apenas no nome mas no logo, eu acho que é empoderador,” concluiu a capitã.

Segundo Sammy Davis, atacante do Boston Pride e a escolha número 1 do Draft de 2020, a estratégia de rebranding mostra exatamente o que mulheres no esporte e mulheres no geral estão tentando fazer. “Nós estamos tentando ser vistas além de apenas mulheres,” disse Davis. “É importante ser as pioneiras, as primeiras. Estabelecer a base e mostrar para as pessoas que está tudo bem ser diferente e querer mudanças.”

De NWHL para PHF e uma nova identidade visual

Com a mudança de NWHL para PHF, veio a necessidade de uma nova identidade visual. Segundo o anúncio da liga no site, “o logo representa uma identidade simples, versátil e flexível que homenageia a história da NWHL.”

Ainda em preto e branco em seu logo primário, tal qual anteriormente, as estrelas também foram mantidas porém formando uma coroa acima da sigla PHF. “O uso das estrelas e coroa simbolizam ambição e conquista mas também formam um sutil ‘W’ [de women, mulheres em inglês] para representar o conceito de elevar mulheres ao topo.”

Por fim, a comissária da liga disse que o uso de “federação” representa a composição da liga com jogadoras do mundo inteiro. Ela disse também que a mudança deve ajudar a liga no mercado internacional.

A reação mista do público já era esperado por Ty Tumminia, que espera que a mudança pelo menos inicie uma conversa sobre ver esportes profissionais sem pensar em gênero. “Nós acreditamos que com o tempo, o apoio também virá,” disse ela. “Mas facilitar esta conversa é o objetivo aqui,” finalizou.

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email