GM dos Blackhawks se demite após conclusão de investigação de violência sexual na franquia

GM do Chicago Blackhawks se demite após conclusão de investigação de violência sexual na franquia

Alerta: o texto a seguir trata de casos violência sexual que ocorreram no Chicago Blackhawks e pode ser gatilho para algumas pessoas. Recomenda-se cautela ao leitor.

O general manager e presidente de operações de hóquei do Chicago Blackhawks, Stan Bowman, “se afastou” após a conclusão de uma investigação sobre alegações de agressão sexual feitas por dois ex-jogadores contra um ex-treinador-adjunto, anunciou o CEO Danny Wirtz na terça-feira (26). No lugar de Bowman, Kyle Davidson, que atuou anteriormente como general manager assistente de administração do hóquei, assumirá como GM interino.

Wirtz chamou os resultados da investigação de “perturbadores e difíceis de ler”.

O investigador principal Reid Schar, da Jenner & Block LLP, divulgou os resultados da investigação em uma entrevista pública. O relatório completo da Jenner & Block LLP foi divulgado após o briefing e pode ser lido aqui (em inglês). [Atenção: o relatório contém descrições gráficas que podem ser perturbadoras ou ofensivas.]

Durante a entrevista, Schar descreveu o processo pelo qual a investigação foi conduzida, que incluiu entrevistar 139 pessoas – entre elas jogadores antigos e atuais, executivos, treinadores e outros funcionários dos Blackhawks e do time afiliado da AHL, Rockford IceHogs. Muitos foram entrevistados várias vezes. Além disso, os investigadores coletaram mais de 100 gigabytes de registros eletrônicos de mais de 145 indivíduos, bem como 49 caixas de registros impressos. Isso inclui e-mails, documentos, informações de escala de serviço, documentos de viagem, registros telefônicos e todas as informações disponíveis.

Schar descreveu uma reunião realizada em 23 de maio de 2010, não muito depois de o primeiro jogador – referido como John Doe para proteger sua privacidade – apresentar alegações de agressão sexual contra o então técnico de vídeo Brad Aldrich. A reunião, realizada para discutir as denúncias e como proceder, incluiu vários executivos de longa data. O ex-presidente da equipe John McDonough, o executivo de operações de hóquei Al MacIsaac, o ex-vice-presidente executivo Jay Blunk, o general manager Stan Bowman, o então técnico Joel Quenneville e o então GM assistente Kevin Cheveldayoff estavam presentes.

“O que está claro é que nenhuma providência foi tomada por três semanas”, disse Schar sobre suas descobertas em torno daquela reunião. Durante esse tempo, Aldrich continuou a trabalhar e viajar com a equipe. Os Blackhawks venceram a Stanley Cup em 9 de junho de 2010, e Aldrich foi autorizado a participar de todas as comemorações da Stanley Cup – o que significava que ele também estava na presença de John Doe – e inclusive recebeu um anel de campeão, tem seu nome na Stanley Cup e teve seu dia com a taça. 

No período seguinte da offseason, a organização deu a Aldrich a opção de se submeter a uma investigação ou de renunciar. Ele optou por renunciar e deixou a equipe em julho de 2010.

“Está claro que a organização e seus executivos naquela época não cumpriam nossos próprios padrões ou valores ao lidar com esses incidentes perturbadores”, afirmou a equipe em uma carta divulgada (também em inglês) imediatamente após a conclusão da investigação. “Lamentamos profundamente o dano causado a John Doe e aos outros indivíduos que foram afetados e por não responder prontamente. Como organização, estendemos nossas profundas desculpas aos indivíduos que sofreram com essas experiências. Devemos – e iremos – fazer melhor.”

Com a renúncia de Bowman, bem como a saída de MacIsaac, ninguém que fazia parte da equipe executiva dos Blackhawks na época daquela reunião ainda está com a organização além de jogadores. Mais tarde na terça-feira, Bowman divulgou a seguinte declaração:

“Eu confiei na orientação de meu superior para que ele tomasse as medidas adequadas. Olhando para trás, agora sabendo que ele não lidou com o assunto prontamente, lamento presumir que ele o faria.”

Após a divulgação das descobertas, a NHL divulgou um comunicado anunciando que os Blackhawks “foram multados em US$ 2 milhões pelos procedimentos internos inadequados da organização e resposta insuficiente e extemporânea no tratamento dos assuntos” relacionados às alegações contra Aldrich.

O comissário da NHL, Gary Bettman, também afirmou que planeja organizar “reuniões pessoais em um futuro próximo” com Quenneville e Cheveldayoff, para discutir seus papéis nos eventos relevantes, conforme detalhado no relatório.

Quenneville é atualmente o treinador principal do Florida Panthers. Já Cheveldayoff é general manager do Winnipeg Jets. Bettman acrescentou: “Reservarei o julgamento sobre as próximas etapas, se houver, com respeito a eles.”

As alegações contra Aldrich, que datam de maio de 2010, foram trazidas à luz publicamente em maio de 2021, quando os Blackhawks foram nomeados como réus em dois processos judiciais no Condado de Cook. Os Blackhawks anunciaram em junho o lançamento de uma investigação independente para determinar a extensão do que aconteceu.

Este texto foi traduzido. Para ler o original, clique no link.

Foto: Reprodução/The Athletic

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email